Lugar_RSI

AvatarLugar do Real, do Simbólico e do Imaginário
Aqui não se fala dos conceitos de Lacan e a palavra lugar deve ser pensada em sua definição matemática

Giacomo Girolamo Casanova

A menos de uma centena de metros do colégio ele colocava sua banca de revistas usadas - gibis e livros. Após as aulas a molecada, dos 13 aos 17 anos, passava por ali e comprava uma literatura... juvenil. Lembro que, para aprimorar meu inglês, comprei um livro com o título Doomed Demons. Eram narrativas de aviadores durante a guerra. Tradução: Demônios Condenados. Esse livro eu o emprestei ao professor de inglês mas quando fui pedir de volta ele perguntou: Você quer o livro de volta? Fiquei sem graça de dizer que só tinha emprestado.
Para os fregueses mais chegados o "livreiro" oferecia as revistinhas do Carlos Zéfiro. Eu comprei um livreto do Casanova. Falava sobre a juventude do galanteador e os ensinamentos libidinosos dados pelo seu preceptor. Narrava sua primeira decepção amorosa, com Bettina, uma menina de 13 ou 14 anos, com quem marcou um encontro mas, chegando lá, já tinha outro consumando o "ato". 

O Gilton me pediu esse livro emprestado. Não fiz caso de que ele era evangélico. O problema não era meu. Emprestei. Não demorou batem no meu portão. Era sua mãe. Muito educada, me perguntou se eu tinha emprestado o livro ao seu filho. Diante da afirmativa (ela tinha lido todo o livro, eu suponho) passou a dissertar sobre as (más) qualidades morais da Bettina, uma garota tão nova e já tão pervertida. Não lembro se tentou me dar alguma lição de moral, sei que me devolveu o livro.

Dizem que Casanova era feio, tinha olhos de touro. Seu preceptor, Malipiero, o iniciou em uma seita secreta, onde aprendeu conhecimentos cabalísticos, de numerologia, de feitiçaria e magia negra. Após entrar nesta seita, Casanova usou os conhecimentos da numerologia para ganhar nos jogos e para conquistar mulheres.

Quem souber que seita era esta, por favor, cartas à redação. Pode ser que ainda dê para mim...

1 comments:

14 de junho de 2011 10:40 requeri disse...

não acredito em alguma "seita" que giacomo casanova seguia. se é que isso existiu, não foi uma prioridade em sua vida. ele era, sim, um feio sedutor, escandaloso, ousado, diplomata, conhecedor da arte financeira, jogador, trapaceiro - ou seria mágico??? - gozador, em todos os sentidos ... rsrs ... gostava de mulheres e de homens, até uma freira ele comeu, e garotinhas, ... naquele tempo nem se falava num crime assim.
morreu pobre como bibliotecário de um nobre. enfim, recentemente, a biblioteca nacional da frança, adquiriu grande parte, o que sobrou, do manuscrito de sua auto-biografia ... autobiografia, auto biografia ... e está digitalizando.
são quase 4.000 páginas escritas em francês, com algumas italianices, com rasuras, nomes riscados, nomes acrescentados que, provavelmente, irão entregar segredos revelados, já que muitos foram com ele pro túmulo. além do manuscrito, a biblioteca conseguiu a lendária "história da minha vida", um dos mais requisitados textos da literatura do século XVIII, graças a um fulano que quis permanecer anônimo.

esse manuscrito sobreviveu à segunda guerra, ao bombardeio em leipzig, sem contar que, enquanto escrevia teve que proteger seus escritos pq tinha gente que não queria que ele publicasse. por isso, ele deixou muita história por contar, ou seja, pra proteger pessoas e se proteger também.

é o que eu sei.

Postar um comentário

Qualquer mensagem não relacionada à postagem deverá ser colocada no Quadro de Recados e, de preferência, não contendo SPAM.
Anônimo, faça a gentileza de deixar seu nome ao final do comentário