Lugar_RSI

AvatarLugar do Real, do Simbólico e do Imaginário
Aqui não se fala dos conceitos de Lacan e a palavra lugar deve ser pensada em sua definição matemática

Aprendendo com a criança (na semana dela)


Em 1960, o diretor comercial da fábrica de brinquedos Estrela no Brasil, Eber Alfred Goldberg, teve a idéia de criar a Semana do Bebê Robusto, em parceria com a empresa de cosméticos e produtos farmacêuticos Johnson & Johnson.
Logo depois, em junho do mesmo ano, seguindo a iniciativa de Eber, outras empresas resolveram criar a Semana da Criança para aumentar as vendas. Faltava apenas escolher uma data e um mês.
Em comum acordo, o comércio instituía, então, o dia 12 de outubro como Dia da Criança, não só para homenageá-la como para estimular a venda de produtos infantis.

Como se vê, é o comércio e a indústria alavancando suas vendas por meio de estímulos na capacidade de se emocionar das pessoas. Tudo muito louvável, desde que ambos os objetivos sejam alcançados.
Falando pelo lado da emoção, temos, mais uma vez, a presença de nosso amigo Haroldo Barboza com sua personalidade de escritor, poeta e pai de família, construindo uma linha de raciocínio a partir de suas observações do dia a dia.


Aos 4 anos de idade, encontrava dificuldades em encaixar os botões da camisa em suas respectivas casas. Até mesmo o deslizamento do zíper em muitas ocasiões causava ferimentos nas pontas dos meus dedos.

Naquela época poucos prédios atingiam 8 ou 12 andares com elevadores. Eu morava num de 3 andares, sem elevadores. E cada degrau da escada quase da altura de minhas pernas lembrava uma pequena mureta a ser escalada ou servir de trampolim para o piso da portaria.

Ao transitar pelas calçadas, preferia caminhar junto às paredes, entre as latas de lixo, que de alguma forma me serviam como barreiras protetoras contra aquelas altas pessoas sempre apressadas, parecendo prestes a me atropelar.

Ao levar o garfo à boca, tinha a impressão de que o mesmo poderia atravessar meu pescoço. O prato de sopa com 330 ml de líquido mais parecia um pequeno balde no qual me afogaria se absorvesse todo aquele conteúdo.

A escova dental me lembrava um enorme espanador, que se fosse esfregada com muito vigor, poderia me arremessar para dentro do vaso sanitário, que a esta altura, parecia um tanque de lavar roupas!

O tempo passou, cresci, fui perdendo alguns medos pela convivência regular com o ambiente. Mas fui adquirindo outros piores, incutidos em minha mente pelas afirmações de dezenas de pessoas carregadas de preconceitos gratuitos ou dispostas a formar minha personalidade segundo um padrão duvidoso de avaliação do ser humano. A vizinha da casa à esquerda dizia que "manga com leite causava úlcera". Só perdi este temor aos 18 anos, quando coloquei esta fruta acidentalmente no liquidificador pensando ser um pêssego. Lamentei o tempo que deixei de saborear esta gostosa vitamina. O vizinho do lado direito dizia que "andar era ótimo para saúde". Por isto me mandou várias vezes ao mercado da esquina me recompensando uma vez por semana com sacos de jujubas. Bem mais leves do que aqueles de 3 ou 4 kg que eu trazia para ele. Se andar era bom, por que ele me incentivava a não correr atrás da bola na praça em frente? Pior era o médico que nos orientava "caminhar na areia" para enriquecer o pulmão. Só não explicava o cigarro entre seus dedos. O dono da padaria me alertava para não brincar com o "Pedroca", pois seu tio estava preso numa cadeia no Nordeste. Será que de lá ele enviava maus fluidos ao meu colega de traquinagens e alguma névoa maligna poderia envolver minha cabeça? Por que na hora de dormir me cantavam o "Boi da cara preta" no lugar de uma sinfonia ou do hino da pátria?

Agora, decorrido mais de 50 anos desta época de sonhos e descompromissos, tardiamente percebi quantas vezes iludimos crianças com fantasias danosas em nome da moral, dos bons costumes e da higiene. Uma maneira talvez acomodada de manter o guri elétrico quieto sem articular idéias construtivas, tais como empilhar 3 ou 4 garrafas de vidro perto da panela de feijão. Por que os adultos preferem inventar um fato assustador para uma ação infantil ao invés de perder 10 minutos explicando as conseqüências de tal ato? Deve ser a pressa de sair para encontrar famílias amigas que marcam reuniões em festas noturnas enquanto seus herdeiros ficam em casa "acompanhados" de vídeos explosivos ou filmes de terror que começam às 21:30 hs e ajudam na formação de jovens desajustados capazes de atirar nos próprios avós em busca de recursos para comprar drogas. No lugar da simples entrega da mesada (cujos gastos não fiscalizamos), tem mais valor a doação de 30 minutos por dia (sou feliz por que fiz isto) ao lado da sua criança amada para orientá-la para sua vida futura na coletividade. Coloca-la a par de questões relativas à limpeza da praça, por exemplo. Bem como explicar porque não devemos ter pombos em gaiolas. Estas mensagens podem ser passadas enquanto se brinca no meio da sala, após o jantar. Deixa-las acompanhar novelas e debates dos políticos enganadores certamente causarão influências negativas em suas personalidades durante a fase de confecção e lapidação de caráter.

Portanto crianças, ainda que vocês não compreendam perfeitamente as sutilezas e indiretas deste texto, tenham pena de nós adultos, que repentinamente entre 25 e 40 anos, fechamos nossos corações para os atos singelos que vocês praticam com tanta naturalidade e os empurramos por trilhas nebulosas da vida. Tenham certeza de que muitos de nós invejamos suas atitudes e alguns até pretendem que vocês se tornem "responsáveis" para deixarem rapidamente para trás este período de pureza e alegria que sedimenta o caráter de cada ser humano. Tenham compaixão de nossos pobres espíritos flagelados e viciados na materialidade, que não percebem como vocês conseguem felicidade tendo um pequeno espaço, dois gravetos, duas tampas de garrafas de plástico, um pedaço de barbante, dois lápis coloridos, uma folha de jornal e um colega para ajudá-lo a materializar sonhos. Mostrem-nos como se idealiza e se pratica um mundo de amizade sem interesses, sem planos maldosos para causar mal ao companheiro que partilha do seu projeto nem tirar vantagem sobre terceiros de forma escusa.

Crianças do mundo: salvem este planeta enquanto é tempo. Vocês não precisam gritar, marchar em bandos nem portar armas para isto. Apenas sentem-se, ergam seus braços para nos receber com perdão e abram bem seus olhos, que se tiverem lágrimas, refletirão com mais beleza a pureza que vocês armazenam no coração!

Ajudem-nos a eliminar o egoísmo que nos arrasta para o abismo da insensibilidade regada apenas por interesses avarentos. Forneçam as sementes de amor que brotam em seus corações e devem ser adubadas com pingos diários de respeito, boa vontade para ouvir e solidariedade para ajudar na construção de um futuro melhor para todos nós!

Nós podemos fazer a diferença na verdade do futuro.

5 comments:

10 de outubro de 2008 16:15 Ciça e-promoter disse...

Adorei o Post Luiz, parabéns!!

10 de outubro de 2008 17:11 Lerdo em Surtar disse...

Belo texto, bem prefaciado, sem a menor sombra de dúvida!
........
........

I_mersos
N_uma
F_eliz
Â_nsia...
N_ascemos,
C_rescemos!
I_nfelizmente...
A_madurecemos.

10 de outubro de 2008 23:43 Adao Braga disse...

"novefora": "seu tio estava preso numa cadeia no Nordeste"...

O dia da criança aqui é mais complicado. Na mesma semana temos: aniversário de casamento, anivesários do caçula, e dia das crianças... tudo numa mesma semana. As vezes é bom fingir o insensivel.

12 de outubro de 2008 08:05 Helio Jenné disse...

Excelente texto, Luiz! É muito importante que os pais leiam e percebam a importância da sua presença atuante nas vidas dos pequenos. Um forte abraço!

13 de outubro de 2008 07:25 Luiz Lailo disse...

Ciça, Helio Jenné,
agradeço os comentários, enfatizando a criatividade do nosso amigo e colaborador Haroldo Barboza.

Adão,
qual o problema? Tudo num pacote só. Se os presentes forem em separado aí é que complica.

Lerdo em Surtar,
o campeão do acróstico.

Postar um comentário

Qualquer mensagem não relacionada à postagem deverá ser colocada no Quadro de Recados e, de preferência, não contendo SPAM.
Anônimo, faça a gentileza de deixar seu nome ao final do comentário