Lugar_RSI

AvatarLugar do Real, do Simbólico e do Imaginário
Aqui não se fala dos conceitos de Lacan e a palavra lugar deve ser pensada em sua definição matemática

Eles que são brancos que se entendam

A revista VEJA diz que as aparências enganam para a seguinte indagação: no Brasil, Hillary seria tucana e Obama, petista?

Sobre Hillary: Ao contrário das aparências, Hillary cultiva inimigos com zelo de ourives e tem um pé no sectarismo político, defeitos que vem procurando corrigir desde que chegou ao Senado em 2000. Dona de posições firmes, ela não sobe no muro, mas desce a ripa.

Sobre Obama: Obama está empolgando a juventude americana, sempre tão alheia à política, e o entusiasmo que desperta empresta um sentido todo especial ao grito de guerra que milhares de obamistas entoam em cada discurso do candidato: "Yes, we can! Yes, we can!"
Uma terceira figura movimenta as peças nesse jogo. No jogo das falsas aparências, John McCain, veterano da Guerra do Vietnã, 71 anos, cabelos brancos, sulista do Arizona, parece um tipo como o catarinense Jorge Bornhausen, velho cacique do velho PFL.

Num livro escrito por Monteiro Lobato em 1926, O Presidente Negro, três candidatos disputam os votos: o negro Jim Roy, a feminista Evelyn Astor e o presidente Kerlog, candidato à reeleição. A cisão da sociedade branca em partido masculino e feminino possibilita a eleição do candidato negro.
Podemos reconhecer nos personagens do livro os candidatos atuais, só a disputa é que se dá sob um ângulo diferente: Hillary e Obama.

À medida que o processo eleitoral americano avança, cresce nas pessoas de todo o mundo o interesse em saber dos detalhes e das possibilidades de cada candidato. Agora mesmo se diz que Obama seria um cavalo de Tróia dos muçulmanos dentro da vida americana. E perguntam: se ele for o próximo presidente fará o juramento solene com a mão sobre a Bíblia ou sobre o Corão, como tem feito até agora?

O fato é que cresce também o interesse no livro de Monteiro Lobato. Eu tenho uma leve inclinação por Barack Hussein Obama - que nome estranho, não?, lembra Osama, lembra Saddam Hussein... E esse personagem, seria o Lula dos americanos? A palavra de ordem de Obama é "change", a de Lula também era...

Bem, o Obama daqui já nos dá muito o que fazer. Deixemos os americanos cuidarem do Obama de lá. Eles que são brancos que se entendam.

7 comments:

13 de fevereiro de 2008 20:02 Ricardo Rayol disse...

contanto que ele não seja uma peça do terrorismo mundial objeto de uma conspiração eles que se danem.

13 de fevereiro de 2008 21:07 Lau disse...

Aaaah, muito obrigada por passar no meu blog, fico felizx que o visite =D
Obrigada pelo comentário, volte sempre hehehee

Boa Semana :D

14 de fevereiro de 2008 14:53 Olívia Carromeu disse...

Luiz,

É bem mesmo essa comparação que vc fez. Esses dias eu vi uma entrevista com o FHC na Band, e ele notoriamente mostrou-se preocupado se o Obama ganhar, pois obviamente ele é amigo da Hilary. Então é bem por aí FHC versus LuLa.
Mas sim, eles que são brancos e negros que se entendam.

Abraço

15 de fevereiro de 2008 04:57 Pandora disse...

Así es, Barack Obama es un "Lula".

Saludos.

15 de fevereiro de 2008 21:51 Norberto Silveira disse...

Caro amigo
Pergunto se gostaria de fazer parceria com meu blog, ou seja, trocar links.
Caso queira solicito ao amigo que me confirme para que eu coloque seu link em meu blog "CAVERNA ZERO" END: http://cavernademorcego.blogspot.com/

Em meu blog Vc encontrará várias formade de fazer contato.
Grande abraço
Norberto Silveira

17 de fevereiro de 2008 12:08 Mara* disse...

obama um cavalo de tróia? que trama mais diabólica! sou ele sem pestanejar...pestanejando, faço coro, eles que se entendam.

18 de fevereiro de 2008 17:28 Belcrivelli disse...

Seja qual for o próximo presidente dos EUA, espero que faça menos guerras em outros paises e cuide mais dos norte-americanos!

Postar um comentário

Qualquer mensagem não relacionada à postagem deverá ser colocada no Quadro de Recados e, de preferência, não contendo SPAM.
Anônimo, faça a gentileza de deixar seu nome ao final do comentário