Lugar_RSI

AvatarLugar do Real, do Simbólico e do Imaginário
Aqui não se fala dos conceitos de Lacan e a palavra lugar deve ser pensada em sua definição matemática

A Flor Papagaio da Tailândia

Abro as mensagens do dia e encontro mais uma valiosa colaboração do Ivan Pereira. Ele quer algum comentário dos seus amigos, que possa enriquecer o assunto. Me bateu na hora - "Depois do Photoshop tudo é possível!"
Mas ele concluiu dizendo ser essa flor uma criação divina. Realmente, aprendemos desde tenra idade que Deus criou todas as coisas. Então vamos saber mais, vamos mergulhar fundo.

Verifiquei que mensagens e fotos sobre o assunto já foram publicadas exaustivamente em diversos blogs no início do ano. Porém quero saber mais, ir às origens, adentrar a toca do leão, e acho o site Exotic Rainforest, que explica:
 "Quer dizer que você quer saber onde comprar a Rara Flor Papagaio da Tailândia? Leia toda a reportagem e achará a resposta. Poderá não gostar dela no entanto! E apesar do que você possa pensar, a espécie não é um hoax! Pode ser encontrada em pelo menos três publicações científicas".

Este site tem recebido pedidos e mais pedidos de compra dessa planta mas eles avisam que não a têm na coleção para vender, apesar de muitos sites afirmarem o contrário, equivocadamente. A planta cresce no norte da Tailândia, em Myanmar e numa pequena região do leste da India. E para encerrar a reportagem eles perguntam:
"Está curioso porque não podemos facilmente adquirir a Flor Papagaio da Tailândia? Bem, primeiro responda a seis pequenas questões e tentaremos explicar porque você não pode achar ou comprar a Impatiens psittacina, de modo algum.

1) Você acha que essa planta se parece com qualquer impatiens de jardim?
2) Você vive em uma floresta tropical?
3) Você acredita que esta linda plantinha com a aparência de papagaio cresce facilmente?
4) Você gostaria de ter uma erva feia com 2 metros de altura, se bem que com flores atraentes, no seu quintal?
5) Está disposto a pagar de oito mil a dez mil dólares americanos para obter um pequeno punhado de sementes?
6) GOSTARIA DE CUMPRIR PENA EM UMA CADEIA TAILANDESA?"

Não é complexo de vira-latas não, mas se tivéssemos a Rara Flor Papagaio do Brasil, seria molinho, molinho qualquer americanist, ongueiro ou contrabandista ganhar dinheiro a rodo fazendo... pesquisa científica e abastecendo colecionadores do primeiro mundo.

Um post original, ou apenas um balaio de gatos?

O Americano Tranquilo, romance de Graham Greene, que li aos 20 anos de idade, apresenta uma técnica de narração muito usada no cinema - a narrativa começa pelo meio da história, no capítulo seguinte vai ao início. É como se dividíssemos o livro exatamente em duas partes e lêssemos os capítulos alternadamente. O último capítulo do primeiro livro nos revela os porquês da sequência que já havíamos lido no primeiro capítulo do segundo livro.

Certa vez tentei aplicar esse método para apressar o estudo de um idioma. Hipoteticamente dividi o livro em três partes e estudava as lições, em paralelo. Ao contrário do livro de Graham Greene, não deu muito certo.

Eu tenho dois "projetos" para o meu blog. Eu coloquei a palavra entre aspas porque ela está sendo muito usada e abusada, e eu acho que a palavra, abusada, perde o sentido, tornando-se corriqueira. É o caso da palavra "super". Não existe mais o muito bem, só o super bem. Virou uma gíria, uma palavra da moda. E eu sou muito encrenqueiro, dispenso as palavras da moda, não bato tambor na tribo, tenho meus meios de expressão... tradicionais. Há quem ache que o super já perdeu as forças, não mais traduz com fidelidade suas emoções e esse pessoal já está migrando para o híper bem.

Minha cabeça é muito louca, eu não consigo pensar numa coisa só. Alterno fatos, datas e tenho a tendência de seguir trilhas que me ocorrem ao longo do processo de escrever. Se bem que certos detalhes sirvam para ilustrar o todo, eu temo cair na prolixidade de um Marcel Proust, aquele do "Em Busca do Tempo Perdido", ao invés de ter a objetividade de um Carlos Drummond de Andrade, "Havia uma pedra no meio do caminho. E agora, José"?

Já estou no quinto parágrafo e não falei o que queria, e antes que isso se transforme em um balaio de gatos e o leitor perca o interesse, vamos ao assunto.
Hoje organizei, braçalmente, minha coluna Mais Lidos da Semana. Os leitores que vêm aqui por pesquisa às vezes fazem entrar nessa lista posts antigos, alguns até interessantes e que foram publicados no tempo em que meus leitores cabiam na palma da mão. Já republiquei três posts antigos, mas eles eram do blog desativado SEU LALO. Pretendo fazer uma republicação sistemática nos moldes do Túnel do Tempo, do by Osc@r Luiz.
Que ninguém me chame de plagiador. Republiquei a Última flor do Lácio aos 10 de abril de 2007 e eu ainda não conhecia o Oscar. Só não posso chamar de Túnel do Tempo, aí já é demaisss.

Certo dia, quando publiquei o post "Você sabe como capturar porcos selvagens?", observei ter conseguido 173 páginas vistas, número que perdurou por longo tempo, e isso sem motivo aparente. Descobri então que um blogueiro havia colocado na sidebar um link que ficou lá por duas ou três semanas. Ele por sua vez me disse que estava sendo linkado pelo Noblat. O mar transbordou e correram alguns filetes de água para os riachos. Recentemente fui linkado pelo site Super Vasco (sniff, sniff! - onomatopéia de chororô). Eles gostaram de um post meu e publicaram uma notícia a respeito. Fui para 746 pages view. Mas a coisa já esfriou e acordei para a realidade. Mas que levei um susto, levei!

Ter um link é bom, do jeito que for - escondido, em javascript, em formato de slide, no rodapé; melhor é tê-lo na sidebar direcionado a um post e acompanhado de um breve fragmento do texto. Esta é a novidade que estou aprontando para os meus amigos, tudo de coração, sem segundas intenções, hehehe. Basta ser meu amigo e ter um pouco de paciência. Não esperem muito de mim, não corram para o Google Analytics. Sou apenas um riozinho que nem sabe se chegará ao mar.

Modelo processa cirurgião plástico

Fim de semana com fortes chuvas no Rio de Janeiro. Lá fora os carros de som dos políticos extrapolam todos os níveis porventura permitidos de decibéis, porque na verdade não sei se existe algum controle, pelo menos na cidade onde resido. Ontem fiz uma ligação para Pernambuco, para a minha cidade natal de Bom Conselho. Meu interlocutor me pediu que aguardasse acabar de passar um carro de som de propaganda política pois devido ao barulho não me ouvia direito.

Se algum de vocês tiver conhecimento com alguém que more no Oiapoque ou no Chuí, façam o teste - liguem para lá; haverá a mesma poluição sonora. Será que essa festa "cívica" também se desenvolve assim ruidosamente em outros países? Há candidatos que colocam três, quatro caminhões de som na rua, verdadeiros trios elétricos. É muito dinheiro gasto para ser recompensado com os parcos vencimentos de um vereador ou prefeito.

Com o horário eleitoral gratuito quiseram talvez favorecer os candidatos sem recursos, eliminando o poder econômico, mas todos sabem que mesmo nesse programa não existe democracia. Alguns candidatos, eleitos pelos caciques de cada partido, têm presença maciça na TV ou no rádio em detrimento dos peixes miúdos.

Eu já sei de cor cinco ou seis jingles de candidatos. Não posso fazer nada, isso me é empurrado orelhas a dentro durante todo o dia. Mas é excusado dizer que não votarei em nenhum deles. Por mim poderiam acabar, esse horário eleitoral e o carnaval fora de época às vésperas das eleições.

Mas chove, eu dizia, e escrevi as linhas acima movido pelo som ensurdecedor na rua. Eu queria publicar apenas uma amenidade. Trata-se de um e-mail que recebi há cinco dias, que me parece inédito e que noticia uma disputa entre um cirurgião plástico e uma modelo, sua cliente. Ela quer processá-lo já que, na operação, os bicos dos seios ficaram desalinhados. O médico insiste em que estão perfeitamente alinhados. Agora cabe a vocês decidir quem tem razão.

Vale a pena..., ou não?

As "subtilezas" do idioma (um amigo gostava de falar assim)

Em inglês se diz: "Work is what makes life worth while". 
Trabalho é o que faz a vida valer a espera, ou ainda, o esforço. No entanto a expressão corrente em português, também em espanhol, é: "trabalho é o que faz a vida valer a pena", ou seja, você é condenado e a pena é compensatória. Em francês se diz "valoir la peine".

Como podem ver, algo restou da Torre de Babel, não só nesta expressão como em muitas outras. Os diversos idiomas guardam uma relação muito estreita. Porém eu não gosto desse modo pelo qual as pessoas se referem a coisas prazeirosas prazerosas. Por exemplo, quando alguém diz: Vá assistir ao recital de violão do virtuose fulano; vale a pena. Seria como dizer, vale o castigo.

E quando se diz, perdi uma boa oportunidade, foi uma pena. Ou ainda, que pena! Que pena seria essa? Seria um castigo leve? Faz sentido.

Mas isso ainda não é tudo. Quando uma veneranda senhora, digna dos maiores encômios, falta a um compromisso o respeitável cidadão lhe diz: "A senhora me deixou na mão". Todos entendem do que se trata, mas degustem cada palavra. Não parece estranha esse história de deixar na mão? Mas ninguém malda. É o enriquecimento do idioma pela participação popular. 

Vasco da Gama adere à Campanha Ficha Limpa


O Club de Regatas Vasco da Gama continua fiel à sua missão de apoiar causas de interesse público e social e demonstrou mais uma vez pioneirismo ao se tornar o primeiro clube de futebol a aderir à Campanha Ficha Limpa. O Presidente Roberto Dinamite, recebeu nesta quinta-feira (25/09) representantes da campanha, que trata de um Projeto de Lei de iniciativa popular sobre a Vida Pregressa dos Candidatos, elaborado pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE). O Movimento pretende coletar mais de um milhão e trezentas mil assinaturas (1% do eleitorado brasileiro) para que o Projeto de Lei seja levado ao Congresso Nacional.

O Presidente Roberto Dinamite foi a primeira pessoa do clube a assinar o formulário, na presença de do Diretor da SE-MCCE e Secretário Executivo da Comissão Brasileira de Justiça e Paz, Carlos Moura, do Presidente da ABRAMPPE, Márlon Jacinto Reis, e da Assessora de Comunicação do MCCE, Cristiane Vasconcelos.

O torcedor vascaíno terá a oportunidade de exercer seu papel de cidadão assinando a “Ficha Limpa” no dia 4 de outubro antes e durante a partida contra o Figueirense, em São Januário, pelo Campeonato Brasileiro, apresentando o título de eleitor.

Conheça os objetivos do Projeto de Lei
1. Aumentar as situações que impeçam o registro de uma candidatura, incluindo os seguintes pontos:
a) Pessoas condenadas em primeira ou única instância ou com denúncia recebida por um tribunal em virtude de crimes como: racismo, homicídio, estupro, tráfico de drogas e desvio de verbas públicas. Essas pessoas devem ser preventivamente afastadas das eleições até que resolvam seus problemas com a Justiça Criminal;
b) Parlamentares que renunciaram ao cargo para evitar a abertura de processo por quebra de decoro parlamentar ou por desrespeito à Constituição;
c) Pessoas condenadas em representações por compra de votos ou uso eleitoral da máquina administrativa.

2. Estender o período que impede a candidatura, que passaria a ser de oito anos.
3. Tornar mais rápidos os processos judiciais sobre abuso de poder nas eleições, fazendo com que as decisões sejam executadas imediatamente, mesmo que ainda caibam recursos no processo.

Afinal sabemos, eu e Bush, porque Lula está tranquilinho


De tanto Lula dizer que a crise financeira americana em nada prejudicará o Brasil, sendo até irônico ao mandar os jornalistas inquirirem o presidente americano a respeito, que bateu uma baita curiosidade, para não dizer perplexidade, no irmão do Norte. 

Vejam como Sponholz captou esse momento Bush:

Ah, sim! Recebi por e-mail do meu amigo Ivan Pereira.

Eu entendi também porque Luís Inácio diz aos companheiros: - Não se envergonhem de ser petistas, de ostentar a estrela vermelha no peito!

Faz sentido.

Quanto custa uma escola de ensino fundamental?

O governo do Rio anunciou nesta quarta-feira a aquisição de um helicóptero Huey 2, da empresa Bell Helicopter, por R$ 8 milhões. O equipamento tem capacidade para seis atiradores, é blindado e pode transportar um total de 15 pessoas. O equipamento já ganhou o apelido de "caveirão do ar".

Brizola governou o Rio de Janeiro de março de 1983 a março de 1987, depois, de março de 1991 a abril de 1994. Em seu primeiro mandato Darcy Ribeiro, que era o vice-governador, idealizou os Centros Integrados de Educação Pública, os CIEPS, escolas que funcionavam em horário integral tendo os alunos alimentação completa supervisionada por nutricionistas, prática de esportes e de leitura e tratamento odontológico.

Naquela época não havia a malfadada reeleição e, entre os dois governos de Brizola, aconteceu o desgoverno do gato angorá Moreira Franco amigo de Sarney, que se elegeu abraçado ao bigodudo presidente de triste memória, da inflação de 85% ao mês; toda semana havia reajuste de preços. E apesar de ter ludibriado os eleitores com a promessa de dobrar a construção dessas escolas, Moreira abandonou-as criminosamente e os CIEPS, em grande número, passaram a ser moradia de mendigos.

As crianças que nasceram quando Brizola deixou o governo devem ter agora seus 15 anos. Já que elas não puderam ter uma educação regular,  serão "educados" agora com o caveirão do ar que o governador Sérgio Cabral comprou para "ensiná-las".
À propósito, quanto custa uma escola para os cofres do governo?

Anatomia do pulo do gato

Maria Deusa de Sá e seus filhos, que aguardam a inclusão no Bolsa Família em cidade do Piauí 

Os seguidores do presidente Lula podem continuar a bater palmas para o seu guia espiritual e moral. Resta saber se os beneficiários do Bolsa Familia aprovaram esse governo. O que vocês acham?

Vamos a uma reportagem da Folha de São Paulo, de hoje, com o título Bolsa Família sustenta novo voto de cabresto no Nordeste. 

Principal programa social do país, o Bolsa Família tem sido utilizado nesta campanha municipal como uma nova modalidade de cabresto eleitoral. A informação é de reportagem de Eduardo Scolese publicada na Folha (íntegra disponível para assinantes do UOL e do jornal). 

Candidatos a prefeito e a vereador usam o programa federal de transferência de renda tanto para agradar o eleitor, oferecendo a ele um cartão de beneficiário em troca do voto, como para ameaçá-lo caso vote em algum candidato da oposição. 

Nas últimas três semanas, a Folha encontrou casos de uso eleitoral do programa no interior de Ceará e Piauí e ouviu denúncias informais em Paraíba, Bahia e Rio Grande do Norte. Promotores dizem que o principal obstáculo à fiscalização é o medo dos eleitores de serem perseguidos após a denúncia. 

As eleições deste ano são, na prática, a primeira grande experiência municipal do uso do Bolsa Família para arregimentar votos. Neste ano, o governo reajustou em 8% o valor do benefício, anunciou um programa de qualificação de profissionais específico aos beneficiários e estendeu o benefício a jovens de 16 e 17 anos - iniciativas tidas como eleitoreiras pela oposição.

Ainda o Followers do Blogger

Muito bem, instalei o Follower, que eu chamei Seguindo no Blogger (post do último dia 20). Para quem segue há a inserção do link do seguido no Google Reader. Para quem já assinava o feed, é apenas uma redundância, nada de prático. Para quem é seguido é colocado o avatar do seguidor no respectivo widget. Você sabe quantos potenciais leitores fiéis chegam ao seu blog.

Querendo me seguir é só clicar em Follow this Blog. Se ficar chateado e quiser desistir é só clicar em Stop Following. Em contrapartida, se eu ficar chateado apago tudo e remeto à lixeira.

No momento eu queria verdadeiramente duas coisas do Blogger - edição de comentários como no Wordpress e Haloscan e algo parecido com o CommentLuv do Wordpress. No final do comentário da pessoa é colocado um link para o último post de seu blog. Se o comentário for moderado a liberação é comunicada por e-mail. 
Nada daquela centena de e-mails referentes a cada novo comentário quando você solicita notificação.

Essa novidade do Blogger é um clube do Bolinha (ou da Luluzinha), usuário do Wordpress não participa, porque é necessário estar logado no Blogger.

O burro e o palácio, a fábula que Esopo não escreveu


Minha resposta para a pesquisa CNT/Sensus, divulgada ontem

A Esopo certamente faltou o tempo, a inspiração ou o momento para criar novas fábulas. O mesmo digo de La Fontaine, o francês de origem burguesa que se servia dos animais para instruir os homens.
Quem não conhece Le Corbeau et le Renard, sua criação? Estava lá, no meu livro de Francês:

Maître Corbeau, sur un arbre perché,
Tenait en son bec un fromage.
Maître Renard, par l'odeur alléché,
Lui tint à peu près ce langage :
"Hé ! bonjour, Monsieur du Corbeau.
Que vous êtes joli ! que vous me semblez beau!
Sans mentir, si votre ramage
Se rapporte à votre plumage,
Vous êtes le Phénix des hôtes de ces bois."
A ces mots le Corbeau ne se sent pas de joie;
Et pour montrer sa belle voix,
Il ouvre un large bec, laisse tomber sa proie.
Le Renard s'en saisit, et dit : "Mon bon Monsieur,
Apprenez que tout flatteur
Vit aux dépens de celui qui l'écoute:
Cette leçon vaut bien un fromage, sans doute."
Le Corbeau, honteux et confus,
Jura, mais un peu tard, qu'on ne l'y prendrait plus.

Existe muito corvo idiota por aí que, levado por elogios fáceis e tortuosos, perde seu precioso queijo para raposas espertas que vivem às custas dos que ouvem o canto da sereia.

Mas qual seria a fábula da vez, ou da hora, como gostam de dizer os paulistas? 
Seria O Burro e o Palácio, com a observação de que o burro dessa fábula seria um expert em palácios, desde a escolha do terreno e fundações a contratação de serviçais e governantes. Teria também a atribuição de dizer se os donos do palácio e, por conseguinte, do burgo, estariam fazendo um bom governo.

Mas ninguém escreveu essa fábula e o que mais se vê por aí são burros dando opinião sobre o que não têm capacidade de entender. 
O que é um bom governo? Quais os indicativos de que alguém fez um bom governo? Serão os palanques armados em proveito próprio? Serão as inaugurações de obras inacabadas? Ou será a propaganda paga na imprensa amiga?
Talvez os ditos Cientistas Políticos ou Economistas saibam dizer o que acontece, quais as boas medidas governamentais, os burros propriamente ditos, não. Eles são apenas massa de manobra. E são esses burros que dizem nas pesquisas que o palácio é obra perfeita e acabada.

Da Folha online:
O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva registrou em setembro deste ano a melhor avaliação positiva na história da pesquisa CNT/Sensus, realizada desde 1998. Segundo a pesquisa divulgada hoje, o governo Lula recebeu avaliação positiva de 68,8% dos entrevistados, contra 6,8% que o avaliaram negativamente. 
Entre os entrevistados, 23,2% avaliaram o governo Lula como regular.

Esopo ou La Fontaine, venham rápido - precisamos estabelecer com urgência as limitações da capacidade analítica dos burros e a suntuosidade equivocada dos atuais palácios.

Segunda-feira azeda

Se já não bastasse a derrota do Vasco fato que, nas condições normais de temperatura e pressão, está se tornando uma coisa corriqueira, ainda tenho que ouvir certas pérolas. Ainda bem que não sou surdo. Muito provavelmente criarei a tag segunda-feira azeda ou azedumes. Eu estava até pensando em outro rótulo mas este já denomina um blog aí, falto de humildade, que, em que pese suas mil ou duas mil visitas diárias, quero passar bem longe dele. É o Paulo Coelho dos blogs, não li e não gostei.

Tudo que segue ouvi na Rádio Bandeirantes, à exceção da minha observação sobre o PT. Me escapuliu, como diria o Chaves, o do SBT. Começo o dia ouvindo o Faixa Livre, das 8 às 10 horas, patrocinado pela AEPET, Associação dos Engenheiros da Petrobrás. Eu, como "petoleiro", não é, Lula? petoleiro, tenho mais é que ouvir. Concluo com o programa de esportes ao meio dia.

Eu posso fazer uma retificação? Eu começo o dia ouvindo o pastor Miguel Ângelo, da igreja Cristo Vive às 6,30 horas. Não é que eu seja religioso, muito pelo contrário, mas é que eu gosto das pessoas sinceras e honestas e isso eu posso descobrir apenas pelo semblante, pela entonação da voz. O presidente Lula não me parece sincero nem honesto.

Um doce para quem descobrir o que, abaixo, é da minha autoria e o que ouvi no rádio.

O Brasil não precisa temer as desgraças que rondam o planeta, furacões, terremotos, vulcões, guerras, terroristas, já temos as nossas próprias infelicidades, o Partido dos Trabalhadores, que se instalou nas vísceras do país cooptando a imprensa, políticos venais e o povo ignaro terceiro mundista.

Paulo Coelho vem aí como personagem infantil. Péssimo, nem as crianças estão livres da figura.

Alguém precisa dizer ao "rei" Roberto Carlos que ele é um desastre cantando em espanhol. Aliás, eu estou sendo injusto, ele até sabe disso, já confessou a uma fã. Apenas insiste em agradar àqueles fãs "sem noção" que querem ouvir um português errado. Mas como dizem que gosto não se discute... Com o meu sou muito rigoroso. Querem um bom cantor? Ouçam Emílio Santiago. E aguardem minha rádio.

Eu estava aqui ouvindo um programa de esportes da Rádio Bandeirantes do Rio mas eu preciso rever meus conceitos e minhas preferências sob pena de me afogar em abobrinhas.
O "jornalista" - ele tem deproma - disse:
- Se o Grêmio manter (???) a diferença de pontos que tem do Palmeiras...
Manter, que diabo é isso, jornalista? Eu aprendi na escola que a conjugação do verbo no futuro do subjuntivo é mantiver.
E é o jornalista esportivo mais marrento da emissora, já foi da Globo...

Os juízes não ajudam, muito pelo contrário

Hoje é dia de choradeira. Leandro Amaral diz que o juiz Evandro Rogerio Roman foi desigual nos critérios no jogo deste domingo, contra o Palmeiras.
- O time lutou do começo até o final, mas o árbitro, pelo amor de Deus! Só marcava para o Palmeiras. A gente cobrou isso dele, a desigualdade era grande - esbravejou Leandro Amaral.

Na falta em que o zagueiro André, do Vasco, foi expulso, um pouco antes Leandro Amaral tinha perdido a bola sofrendo falta de um palmeirense, falta que o juiz ignorou.

Mas os bandeirinhas são as estrelas do espetáculo. Dão impedimento quando não há e ignoram lances ilegais e absurdos como no primeiro gol paulista. Não se pode deixar a dúvida povoar a cabeça desses incompetentes. Todo incompetente deve ser punido, mas nada acontece com eles. Haviam quatro jogadores do Palmeiras isolados na área do Vasco. O que fez o gol também estava voltando, apenas quando parou ficou "quase" na mesma linha do vascaíno distraído Eduardo Luiz, que também parou. Mas isso não tira o impedimento, se é que eu sei o que é impedimento. Eis a sequencia.

Eduardo Luiz está parando na linha da grande área, Diego Souza no alto à direita, que receberia a bola, está impedidíssimo.

Diego ainda está impedido. Cadê o tira-teima da Globo? Alguém viu? Ora, não interessa! Ao perdedor a choradeira!

Finalmente ele pára, recebe a bola e faz o gol em flagrante fora de jogo. Nem os vascaínos reclamaram. E quem reclamar é punido pela Justiça Desportiva. Nem Kafka teria imaginação para parir tal absurdo. Os árbitros? Têm habeas corpus para continuarem a errar.

Crise financeira, sarna ruim para McCain


A cinco dias do primeiro debate presidencial nos Estados Unidos, o democrata Barack Obama, retoma a liderança das pesquisas de opinião de voto, enquanto o republicano John McCain se enrolou em responder à crise financeira dos Estados Unidos.

Depois de não divulgar nenhum plano contra a crise enquanto a administração Bush montava seu projeto, Obama apontou neste domingo sete condições para o programa de socorro financeiro do governo americano, que, segundo ele, "tinha um custo absurdamente alto", mas não oferecia nenhuma garantia para os eleitores que vão financiar o resgate de instituições quebradas.

"Este plano não pode ser apenas um plano para Wall Street, tem de ser um plano para todos. Temos de nos unir como democratas e republicanos para aprovar um plano que coloque dinheiro nos bolsos das famílias dos trabalhadores, aumente os empregos e previne a alta dos impostos nos nossos Estados", afirmou Obama durante ato de campanha na Carolina do Norte.

O porta-voz de McCain, Tucker Bounds, acusou Obama de "não oferecer absolutamente nenhuma idéia, políticas ou soluções concretas". "Não podemos nos dar ao luxo da falta de direção de Barack Obama", afirmou.

Segundo o filósofo Lula, isso é coisa do Bush, e de McCain, que é do mesmo partido do presidente. Eles que resolvam.
Lá fora sempre há debate; aqui, quando as "pesquisas" já determinaram quem é o vencedor, nem que a vaca tussa. No Rio de Janeiro a não realização do debate tem outro motivo - querem fazer um debate de cartas marcadas, apenas com os "laureados". E Paulo Ramos não concorda e fez cancelarem o que estava previsto. A Rede Globo deve entrar no jogo, apesar da choradeira da Jandira Feghali. Depois o prefeito eleito paga a conta.

Chegamos ao fundo do poço

Quer queiram ou não, um presidente da República, utilizando a máquina pública, está participando de comícios em apoio à candidata do seu partido à prefeitura de São Paulo.
E viajando na maionese, mandou:

- "Quando eu deixar a presidência podem me contratar como torneiro".

Empolgado com o discurso, Lula disse que sua presença no Palácio do Planalto fez com que Deus decidisse se assumir brasileiro. "Deus assumiu publicamente que é brasileiro. Ele disse: 'Já que o Lula está aqui, eu vou ficar um pouquinho'."

Acho que já chegamos ao fundo do poço, mais fundo do que se encontra a camada pré-sal que, ao contrário do que muitos apregoam, seria descoberta apesar do Lula. É nisso que dá eleger um analfabeto. Queriam ouvir o que, senão abobrinhas?

Followers do Blogger

Eu gosto de uma novidade, gosto de estar atualizado. Antigamente, um dos meus sites favoritaços, o CNET.com, tinha uma seção chamada CATCHUP. E o que esse ingrediente culinário fazia? Simplesmente apontava quais programas do nosso computador estavam desatualizados. Infelizmente desinventaram a roda e esse mamão-com-açúcar foi descontinuado. Em seu lugar há um outro serviço que presta a mesma informação, desde que o programa tenha sido baixado do site e tenha sido cadastrado em uma WISHLIST.

Além de informática, o CNET.com apresenta desde câmeras digitais até luxuosos automóveis. Como para olhar não se paga nada estou apreciando o Volt, carro elétrico da GM que estará disponível em 2010. Funciona também com gasolina, cobrindo o término da bateria.

Gosto tanto de uma novidade que, se eu estiver no alto de um precipício e me disserem que lá embaixo há um novo, sensacional lançamento, sou capaz de me lançar ao vazio. Já estou usando o browser Google Chrome quase 90% em relação ao Internet Explorer 8. A próxima novidade é o gadget Followers do Blogger que só está funcionando nos blogs baseados na língua inglesa. Inocentemente passei meu Blogger para a língua inglesa mas é claro que não funcionou. No entanto já estou seguindo um blog que conta com o gadget e o Google Reader já me avisou das atualizações lá ocorridas. Também já vi meu avatar adicionado no blog do fulano. 

Para quem quiser mais detalhes, clique no Blog oficial do Google Reader, aqui.

Saindo do buraco (???)

Ano passado Renato Gaúcho conseguiu tirar o Vasco da Gama do buraco da 2a. divisão do Campeonato Brasileiro mas em seguida jogou o time no buraco da Copa Brasil de 2007. Foi demitido. Este ano, como treinador do Fluminense, disputava a Libertadores e perdia todas no Brasileiro. Dizia que, no Brasileiro, o time estava apenas brincando e acabou eliminado da Libertadores e dispensado do tricolor pelas derrotas seguidas. Espera-se que não bote o cruz-maltino para brincar nessa final de campeonato.

Já falei aqui, sou um perna-de-pau dentro das quatro linhas. Certa vez o cara que organizava uma pelada e me chamou para o time dele e me conhecia, falou apenas: - Não precisa jogar, procure atrapalhar o adversário!
Não sou nenhum Caruso, nenhum Mario Lanza, mas admiro profundamente a arte desses expoentes da arte lírica. Então eu vejo e analiso os lances do futebol, para isso não é necessário que eu seja um craque. 

Na última partida Palmeiras x Vasco eu vi todo o desenho do terceiro gol paulista. Um jogador do Palmeiras entrava com a bola pela esquerda devidamente cercado por defensores do Vasco e bem à frente desse grupo estava o atacante palmeirense que fez o gol. Mas ele não estava impedido porque o cracaço Jorge Luiz recuava junto e lhe dava condições. 
No primeiro gol foi a mesma coisa: dois defensores ao lado do atacante dando-lhe condição de jogo. Não estão vendo que não há mais ninguém ali? Dá um passo à frente e deixa o fulano sozinho. Deixa quem não está com a bola avançar à vontade. No máximo ficará impedido. Cambada de burros!

Sobre o que o juiz não viu, precisa falar? Um empurrão pelas costas no zagueiro do Vasco dado pelo palmeirense que cruzou a bola para o segundo gol, um pênalti reclamado a favor do Palmeiras e outro a favor do Vasco. Ele não viu nada. Parece até um certo político que todos conhecem, tão senhor do que faz.

Renato, treine em primeiro lugar esses jogadores ingênuos a fazerem a linha do impedimento. Nada de botar dúvida na cabeça dos bandeirinhas, porque na dúvida eles darão contra o Vasco. Em segundo lugar alguém deve saber escolher as chuteiras adequadas. Nesse jogo, pelo menos em escorregões, um deles no segundo gol, o Vasco ganhou de 4 X 1.

É disso que o povo gosta, é isso o que o povo quer

Já falei aqui, se votasse no Rio meu voto seria do Paulo Ramos, do PDT. Mas estou cansado da linha que ele adotou no horário eleitoral. Ele repete em todos os programas que os candidatos em destaque nas pesquisas são apenas laranjas podres, prestigiados pelos institutos de pesquisas e pela imprensa... não sei que adjetivo ele atribui a essa imprensa. Assim um seria o laranja do Prefeito, outro, o laranja do Governador e ainda outro, o laranja do Presidente, todos laranjas podres. E conclui: laranja podre deve ir ao lixo e não às urnas.

Todos os candidatos colocam à frente de sua capacidade administrativa, se é que alguma vez na vida puderam exercitá-la, a sua amizade com os padrinhos, dos quais eles são laranjas. Tudo vai cair do céu para eles. Na política, em relação a Paulo Ramos, são apenas meninos de calças curtas. Mas, não se sabe por quais manobras, um deles já está marcado para ganhar. 

O povo não quer perder seu tempo raciocinando e também não quer "perder" o voto, embora o eleitor ganhasse muito mais votando por convicção e não no candidato que as pesquisas lhe vendem. Mas é aquela velha piada, o Brasil não tem terremoto, furacão, vulcão, guerra, homem-bomba, mas tem um povinho que eu vou te contar! Tudo é na base da sacanagem.

Ainda hoje há uma grande manchete num jornal - Thammy, a filha da Gretchen está trocando a vingindade por 500 mil reais. Ela já afirmou que nunca teve relação com homens. E a manchete enfatiza: "Quer pagar quanto"?

É disso que o povo gosta, é isso o que o povo quer. O brasileiro gosta mesmo é de sacanagem. Esquenta não, Paulo Ramos. Não vê a "aprovação" do Lula? Quanto pior melhor...

Choque anafilático


Haroldo Barboza obteve o 1o lugar no desafio de prosa de julho de 2008 do Amantes das Leituras, tendo seu texto publicado no início de setembro. Fez publicar seu trabalho também no Recanto das Letras na categoria Contos / Insólitos. Ao mesmo tempo o texto é oferecido aos leitores do Lugar_RSI. Este é o oitavo trabalho do Haroldo publicado no blog. Divirtam-se!


Raquel entrou no quarto onde seu marido Jorge repousava após a cirurgia de fígado, quando uma camada de 4% foi removida antes que uma área maior do órgão fosse tomada por uma infecção cancerosa. O médico Rafael aproximou-se e disse-lhe:

- A cirurgia foi um sucesso! Retiramos a parte afetada e costuramos os pontos em menos de quatro horas! Para quem consumia oito doses de conhaque por dia nos últimos nove anos, até que seu marido respondeu bem à operação. Acredito que em cinco dias ele já estará em casa para repousar ao lado da família e voltar às atividades cotidianas.

Raquel respondeu:

- Todos nós reconhecemos seu esforço nesta delicada intervenção. Fizemos dezenas de orações para que tudo desse certo. Certamente recomendarei seu nome a todas as amigas que conheço no escritório e na escola de meus filhos. 

Neste instante entrou no quarto a enfermeira para efetuar a troca do saquinho de soro que descia pelo tubo de plástico até o pulso esquerdo do paciente. Para espanto de Raquel, ela deu um corte no alto do recipiente de plástico e derramou parte de seu conteúdo na pia do banheiro. Destampou uma garrafa que inundou o ambiente com o odor de álcool e verteu quase 200 ml para o interior do recipiente e o selou com fita adesiva. Quando se preparava para conectá-lo ao braço do marido, Raquel interpelou:

- O que é isto? Tem cheiro de aguardente!

Prontamente o médico respondeu:

- Exatamente! O grau de viciamento de seu marido era tão alto, que descobrimos que ele não pôde absorver soro de imediato, pelo risco de um choque anafilático. Logo mais à noite a proporção será de 50% de soro + 50% de caninha. Amanhã passaremos o soro para 75% e no terceiro dia então ele passará a receber apenas soro, sem mistura. 

- Só falta o senhor me dizer que ele foi anestesiado com um litro de “manguaça”.

- Não senhora. Bem que tentamos. Mas não funcionou. Ele só “apagou” depois de ingerir oito canecas de uísque! Ao sair, por favor, passe lá na Secretaria do hospital. Houve um acréscimo nos custos, pois a bebida era escocesa. A nacional não fez efeito!

Justiça para Flávia

Blogagem Colectiva para Flávia em 9/Set/2008

Para participar desta blogagem coletiva eu hoje reservei um tempo para ler alguns blogs solidários com esta campanha. E continuarei lendo. Tive visitas no blog pelo mesmo motivo, pena que meu post não estava definido. Não vou tentar produzir nenhuma mensagem no teor das que li porque minha reação em determinadas situações - como essa - é mais de reflexão do que de extravasamento. Então optei por transcrever um trecho do post da Odele, A FACE OCULTA DO COMA, título de uma reportagem de Silvânia Arriel publicada na revista ENCONTRO, de Belo Horizonte.

"Tão longe e tão perto: a filha ali, ao lado, alheia, parada, inconsciente enquanto a vida continua a produzir histórias alegres, tristes, indiferentes na engrenagem pontual dos dias. São 10 anos ou 126 meses ou mais de 3,8 mil dias sem falar, saber o que ocorre à sua volta, expressar carinho, praticar atos voluntários. É a metade de sua existência de 20 anos: de criança, entrou na adolescência, na juventude submersa num mundo à parte, impenetrável. “Tantas coisas você perdeu nestes 10 anos, um tempo que não dá para recuperar”, escreveu Odele Souza para a filha Flávia, em coma vígil, no Dia das Mães, postada no blog que alerta serem corriqueiros acidentes como o que ocorreu com a garota. Fotos da menina linda, alegre, brincando de bailarina condensam aqueles poucos anos de vida bem, saudável, tirada em poucos segundos por falta de oxigenação no cérebro, no dia 6 de janeiro de 1998, num acidente inimaginável na piscina no condomínio Jardim da Juriti, onde morava em São Paulo".

É importante também que divulguemos esse lamentável acontecimento em nossas listas de e-mails. Temos inúmeros amigos que não lêem blogs e que precisam ser alertados a respeito do perigo que podem representar tais equipamentos de piscinas.

Estou reproduzindo também uma colagem feita pela Addiragram, do blog Aguarelas de Turner, a partir da fotografia de Flávia aos 9 anos e que expressa muitos sentimentos que estamos vivenciando no dia de hoje, passando pela tristeza, pela indignação e pela revolta.

breves notas 15 set 2008

Adão urgente - Não estou conseguindo entrar na tua área de comentários; no menu só funciona o Início. Depois me passa teu e-mail, por favor.

Sitemeter - Conforme o anunciado o contador saiu do ar no dia 13 e retornou no dia seguinte. Fiz a ativação dos contadores mas em seguida me pediram uma senha de acesso e isso me causou estranheza. Só me lembro das senhas relativas a cada blog, acho que eles comeram mosca. Conclusão: o site saiu do ar mais uma vez para reverter à plataforma anterior. Tudo como dantes no quartel de Abrantes.

Visitas aos blogs - Estou um pouquinho ausente dos blogs dos amigos por motivo de mudança; estou exportando os feeds do Google Reader para o Netvibes. Além disso, desliguei o computador e o mundo no sábado 13 e fui a um almoço, uma festa de aniversário do meu amigo José Manuel. É maravilhosa a sensação de cérebro oxigenado, longe dos problemas. É como estar na praia. Por mais que nos esforcemos, numa praia conseguimos apenas ouvir o som das ondas quebrando na areia e contemplar o horizonte distante onde o céu abraça o oceano.
Você está angustiado, está nervoso? Tome uma praia uma vez por semana. Se gostar de pescar, melhor ainda. Você volta calminho, calminho.

O mestre budista e o pequeno gafanhoto (conclusão)

Esta é a conclusão do post anterior que, de certo modo, se relaciona inteiramente com o fechamento da enquete.
Vejam vocês, a enquete do Millôr Fernandes fechou com 1216 votos tendo o Lula como locupleto maior com 49% de "aprovação", Maluf em segundo com 31% e o Dantas com 20%. Aqui tivemos 27 votos (eu esperava 20, que sucesso!) e o campeão disparado foi Maluf com 62%, seguido de Lula com 29% e 9% para Daniel Dantas.

Eu vou me propor uma tarefa complicada: tentarei fazer um site, não será um blog, contendo todo o material que tenho recebido através de e-mails - piadas, vídeos e apresentações Power Point. Hoje procurei desesperadamente por uma piada de fina ironia tendo por tema a filosofia oriental, os monges budistas e seus obedientes discípulos tratados carinhosamente por eles como pequenos gafanhotos. Se eu já tivesse minha coletânea, devidamente indexada...
Encontrei, sim, uma outra, um tanto capciosa. Ei-la:

Sabedoria oriental

A cena se passa num templo no Himalaia. O pequeno discípulo pergunta a seu professor:
- Oh, sábio mestre, pode me ensinar a diferença entre uma mulher e uma pérola?
- A diferença, humilde gafanhoto, é que numa pérola pode-se enfiar pelos dois lados, enquanto numa mulher somente por um lado!
O gafanhoto, um tanto confuso, responde:
- Longe de mim tentar contestá-lo, luz do meu saber, mas ouvi dizer que certas mulheres permitem ser enfiadas pelos dois lados...
O sábio ancião, com um fino sorriso, responde:
- Nesse caso, curioso gafanhoto, não se trata de uma mulher, e sim de uma pérola!

Vocês perceberam a grande sabedoria do mestre budista e a inocência rudimentar do pequeno gafanhoto? Foi por esse motivo que não entendi a votação na enquete na qual, aliás, nem votei. Talvez se eu tivesse revelado um pequeno detalhe...
Lula sempre trata Maluf como pequeno gafanhoto e este o chama carinhosamente de mestre.

No Orkut


Na comunidade Watercolor Painting, a indiana "passou um telegrama":

painting plz comment
plz é o miguxês para please.

Alguém comenta: very good...
Não sei porque não escreveu very gud.

Responde a autora do tópico:
- thnku
Se você não captou, é thank you.

Parece uma conversa de mudos.

O mestre budista e o pequeno gafanhoto


Ainda sobre o estúpido índice de aprovação do governo Lula ou, sobre a aprovação do seu governo por estúpidos, escolham a opção correta

A coisa mais certa do mundo é ajudar a quem a si próprio ajuda. Lula não se ajuda. Abandona a coxia e vem à beira do palco conclamar os petistas a não terem vergonha de serem petistas, a usarem a estrela vermelha no peito com a mesma sem-cerimônia com que ele, o presidente, planta estrelas vermelhas nos jardins do Palácio da Alvorada e da Granja do Torto, por orientação de dona Marisa Letícia.

Eram os Deuses Astronautas? é um livro instigante. Usando como referência as pirâmides egípcias, as quilométricas linhas de Nazca e os misteriosos moais da Ilha de Páscoa o suiço Erich von Däniken sugere que extraterrestres foram os autores dessas ocorrências. Eles eram também considerados divindades pelos antigos povos.

Seriam os petistas, ladrões? Essa é uma questão mais difícil de se chegar a um consenso. Existe o célebre mensalão, que fez grande estrago moral entre as hostes petistas, mas do mesmo modo que alguns autores defendem que o Holocausto Judeu jamais existiu, muita gente "isenta" jura com a mão sobre a bíblia que o mensalão nunca existiu.

Há brincalhões, gente de espírito galhofeiro, que dizem que a bandalheira geral que estourou feito pipoca nesse governo é apenas o resultado de investigações sérias "nunca antes neste país" feitas por governo algum. Eu até concordo, mas, e os resultados das investigações? Nunca vi ninguém ser punido. Lula diz que há a presunção da inocência até que se prove a culpa de qualquer cidadão. A mãe Dilma repete patéticamente - "Primeiro inocente, depois culpado"! Que é isso, ministra? Que ato falho é esse? A senhora tem tanta certeza de que eles são culpados? Por que não, "inocente, depois inocente"?

O próprio governo não se aprova, por que iria eu aprová-lo? A não ser que meus sentidos já estivessem embotados e eu não me importasse mais de que exista tanta gente metendo a mão nos cofres; gente da própria família do presidente.

Vejam como sou, coloquei o título O mestre budista e o pequeno gafanhoto e me perco na minha própria verborragia. Mas ninguém perde por esperar. Sobre o monge budista até já falei. Falta o jovem e sorridente gafanhoto. Aguardem.

Sobre a amizade


Recebi por e-mail do meu amigo Pasqual Macariello. Ele não é desses amigos profissionais de que fala o texto. Também não é um amigo particular. Aliás, eu queria saber o que é um amigo particular, ou um particular amigo, que tanta gente possui. Será um amigo exclusivo ou um amigo que atende a domicílio? Ou em domicílio, como quer meia dúzia da imprensa que organizou um conclave para corrigir expressões "imperfeitas"?
A essa gente quero dizer que minha morte não corre risco algum, mas sim minha vida. Que porra é essa de risco de morte? Até o fim da vida vou entregar a domicílio (sem crase) e - espero - sem risco de vida.

E como o Macariello cita a fonte, e fonte é coisa que prezo, vocês ficam sabendo que o texto é de Max Gehringer, jornalista da Rádio CBN.


Existem cinco estágios em uma carreira

O primeiro estágio é aquele em que um funcionário precisa usar crachá, porque quase ninguém na empresa sabe o nome dele.

No segundo estágio o funcionário começa a ficar conhecido dentro da empresa e seu sobrenome passa a ser o nome do departamento em que trabalha. Por exemplo, Heitor de Contas a Pagar.

No terceiro estágio o funcionário passa a ser conhecido fora da empresa e o nome da empresa se transforma em sobrenome. Heitor do Banco Tal.

No quarto estágio é acrescentado um título hierárquico ao nome dele: Heitor, Diretor do Banco Tal.

Finalmente, no quinto estágio, vem a distinção definitiva. Pessoas que mal conhecem o Heitor passam a se referir a ele como "o meu amigo Heitor, Diretor do Banco Tal".

Esse é o momento em que uma pessoa se torna, mesmo contra sua vontade, em "amigo profissional". 
Existem algumas diferenças entre um amigo que é amigo e um amigo profissional.
Amigos que são amigos trocam sentimentos. Amigos profissionais trocam cartões de visita. Uma amizade dura para sempre. Uma amizade profissional é uma relação de curto prazo e dura apenas enquanto um estiver sendo útil ao outro.

Amigos de verdade perguntam se podem ajudar. Amigos profissionais solicitam favores. Amigos de verdade estão no coração. Amigos profissionais estão em uma planilha.

É bom ter uma penca de amigos profissionais. É isso que, hoje, chamamos networking, um círculo de relacionamentos puramente profissional. Mas é bom não confundir uma coisa com a outra.

Amigos profissionais são necessários. Amigos de verdade, indispensáveis.
Algum dia, e esse dia chega rápido, os únicos amigos com quem poderemos contar serão aqueles poucos que fizemos quando amizade era coisa de amadores.

Jeito novo de dizer coisas velhas

Duas manchetes ocasionaram este post.
Primeira - Evo recusa a mediação do Brasil e deixa Lula irritado. Mas é claro, Lula quer viajar no seu índice de aprovação e o Evo Morales jogou água no seu chope. Já no episódio do resgate da Ingrid Betancourt Lula perdeu uma grande chance de se projetar na América Latina, mas não quis desagradar as FARC, parceira no Foro de São Paulo.
A outra notícia é sobre o recorde histórico do índice de aprovação de Lula, o que me faz acreditar que o Brasil não tem solução, estamos descendo a ladeira. Estamos entregues a uma horda de analfabetos e de oportunistas. Por certo, quem aprova Lula e não é analfabeto, tem tudo para ser oportunista, é um dos companheiros.

A imprensa resolveu, agora, que todo recorde tem que ser histórico, o que é uma evidente bobagem. Alguém me diga a diferença entre recorde e recorde histórico. A diferença está apenas no grau de pavonice, relativo a pavão. Mas a palavra pavonice não existe, melhor seria dizer pavoneamento. Reparem que eu não falei em parvoíce, mas o termo bem que podia ser empregado.

O brasileiro dá a vida na arte da imitação, da macaquice, e o rádio e a televisão contribuem para isso. Não há comercial onde não te peçam ou comuniquem o telefone DE CONTATO. Pelo que sei outra não é a finalidade do telefone a não ser contatar as pessoas. Mas é muito inteligente dizer telefone de c-o-n-t-a-t-o.
Se algum dia eu for entrevistado na televisão eu vou falar tudo aquilo que os famosos vomitam lá com pose de intelectuais, começando com o termo "gratificante", "prazeroso" e que tais. Só uma coisa não gosto e me policio no sentido de evitar - é o paroxítono arrastado. Pode até ser acentuada uma outra sílaba, mas a preferida é o paroxítono, para ver se pega no tranco. Reparem que, do Oiapoque ao Chuí, todos se demoram no paroxítono. Por repetitiva, essa maneira de falar se torna enfadonha, pelo menos para mim. Há quem goste. Quando ouço no rádio um programa onde o entrevistado se esmera no paroxítono eu até mudo de estação.

Quando eu escrever alguma coisa errada aqui, em relação ao idioma, podem cair de pau em cima. Eu, humildemente, riscarei a palavra errada e a substituirei pela correta. Só não vou abdicar do direito de eriçar os cabelos à vista ou audição de certos equívocos. Ainda ontem eu ouvia um programa esportivo e o bravo jornalista dizia que o jogador Fulano, recém-contratado, e que iria estrear, estava em completa ansiosidade. Muito justo, ele estava ansioso então estava com "ansiosidade". Entrou a entrevista com o jogador e em off alguém advertiu o jornalista: - Cara, você falou, no ar, uma grande merda.
Ao final da entrevista ele voltou a se referir ao jogador e disse que este estava com grande ansiedade, e vida que segue.

E a conjugação do verbo optar? Aquele cidadão dizia: - Não tem problema, você OPÍTA (acento no i) por trabalhar mais um ano.
Esse cidadão também optou por aprovar o governo Lula. Há pessoas que pecam pelo excesso. Para mostrar erudição empregam o "s" onde ele não cabe. O Lula, ao contrário, é um emérito comedor de esses e de erres. Petóleo - não há jeito de dizer petróleo. Segundo o José Simão, ele tem a língua presa.

Mas eu também tenho meus problemas, às vezes não acho o termo correto ou a locução adequada, então opíto (êpa) opto por um sinônimo ou uma expressão equivalente. Mas não chego a fazer como o dirigente paulista Mendonça Falcão, que também trabalhou na antiga CBD (Confederação Brasileira de Desportos):
- "A reunião será na sexta-feira", disse, ditando um memorando à secretária.
- "Dr. Falcão", esta lhe indagou, "como se escreve sexta-feira"?
E ele, dirigindo-se a um outro subordinado: - Demitam essa incompetente e vamos fazer a reunião na quinta-feira.

Pelado, pelado, nu com a mão no bolso

Que legal nós dois
Pelados aqui
Que nem me conheceram
O dia que eu nasci

Foto e matéria da Folha Online

Não, não é a música do Ultraje a Rigor. 2500 pelados de 33 países invadem povoado da Paraíba para o 31o Congresso Internacional de Naturismo. O congresso começou ontem e acaba sábado, na praia de Tambaba, município de Conde.

Na pista de acesso a Tambaba, há três barreiras, vigiadas por policiais militares e seguranças. Cem PMs tentam prevenir crimes e afastar curiosos. Grupos de vigilância florestal patrulham as matas próximas para evitar a entrada de invasores. Na última barreira, uma guia usando só chinelos e boné identifica as pessoas e convida quem ainda não está nu a tirar a roupa ali - a reportagem foi autorizada a permanecer vestida.

O movimento é intenso no local. Ninguém desvia o olhar para ver quem passou (aquela manjada virada de cabeça). Fotos ou filmagens só se autorizadas e gracejos são tratados como insulto coletivo.

Eu que não vou lá. Vento a boroeste no buzanfã, nem pensar. Se vocês quiserem participar, corram que ainda dá tempo.

A propósito dessa estranha palavra buzanfã, sua etimologia, segundo o Houaiss, é beaux-enfants "filhos que um cônjuge teve anteriormente ao casamento atual".
Sim, mas o que tem o buzanfã a ver com as calças?

A tabela do amor, a tabela da amizade


A menina estava realmente aborrecida. O namorado só queria coisas imediatas, quando muito um cineminha. E ela era romântica.
- Puxa, o cara não me leva nem a um teatro... Só quer saber de amorzinho. Pois agora vai ser na base da tabela. Mão na mão é um preço, mão naquilo outro preço, aquilo encostado naquilo mais caro um pouco. Ora, que diabo!

Eu sabia que era apenas um desabafo, ela era uma boa amiga e boa moça muito embora um vendedor que tinha chegado naquele momento e tinha presenciado a cena tenha arregalado  os olhos e pensou estar às portas de Sodoma e Gomorra.

Lembro-me de um blog, não guardei o endereço, que tinha uma verdadeira tabela do amor. O fulano falava de uma regra de parceria onde o link dele tinha que estar em lugar de destaque. Se estivesse escondido lá no rodapé ele também ia esconder o link do fdp do parceiro. Essa parceria estava mais para represália explícita.
- Se retirar meu link eu tiro o teu na mesma hora, se não gostar vai pro cacete, não enche o saco...
Eu dei risada. Muito pior que a tabela mão-na-mão mão-naquilo.

Um outro blogueiro exigia uma média de mil visitas na página do parceiro para poder colocar seu banner. E se este não lhe desse um retorno em termos de visitantes o banner ia descer, transformar-se em um simples link. E se não estivesse satisfeito que fosse tomar café ou comer angú. Uma comédia. O Google Analytics era o divisor de águas da contenda.
- Olha aí o relatório do Google Analytics. Você não preenche os requisitos para ser meu parceiro. E vai tomar café.

Assisti a uma cena hilária. O sem noção chegou numa blogueira poderosa e propôs: "Aceita parceria? Coloca lá o meu link, depois coloco o seu".
Ela chiou na hora: "Ô figura, o lógico não seria você colocar o meu primeiro"?
Acontece que filhote de onça já nasce pintado, os novatos já aprenderam a fazer um estatuto da parceria com todos os ítens detalhados.

A maioria dos meus amigos me linka e sequer me avisa. Quando eu vejo retribuo. Certa vez vi um link no Technorati mas não achava nada no blog do amigo. Até que vi - Blog do Laio. Era Blog do Lailo, faltou uma letra. Alguns há, elegantíssimos, que dizem: "Há tanto tempo nos visitamos e eu reparei que não havia um link para o teu blog. Estou providenciando". Eu agora já aprendi a avisar quando coloco links para os meus amigos, mas sempre com sutileza, não tanta quanto a empregada pelo compadre na narrativa a seguir, mas enfatizo que a minha tabela é a da AMIZADE.

Chegando de viagem já entrada a noite, aquele parente distante chegou à casa de sua comadre onde iria pernoitar e antes de qualquer outra providência trataram de colocar a conversa em dia. Esgotaram todos os assuntos, passavam-se as horas. Foi quando a comadre o interrompeu:
- Compadre, já está tarde, amanhã é dia de trabalho, vou preparar seu quarto.

E o compadre, morto de fome, esperava que saísse pelo menos um lanche, mas chegou à conclusão de que tal hipótese era remotíssima. Daí pediu uma bacia com água à comadre para lavar os pés e ir dormir. Quando lhe foi trazido o vasilhame, levantando o indicador, ele indagou:
- Comadre, faz mal lavar os pés antes da janta?...

breves notas 08 set 2008


Vão aqui algumas notas todas relativas ao que andei fazendo neste fim de semana

O Blog Borrocando se mexeu após pouco mais de dois meses. E pesquisando descobri que este blog está cadastrado no BlogFlux. Eu não tenho mais noção das inscrições que possuo. Hoje recebi a confirmação de registro no Overmundo, um site semelhante ao Recanto das Letras e que publica os trabalhos dos participantes. 
Essa confirmação demorou pois cadastrei-me no dia 5. E hoje foi a vez de me cadastrar no DeviantART. Aguardo o e-mail de confirmação.

Estou cancelando meu e-mail seulalo-lugar@yahoo.com porque os spammers estavam fazendo a festa. Aqui no blog já troquei a imagem do mesmo.
Por falar nisso, hoje fiz um spam, de leve, na comunidade Watercolor Painting, do Orkut, para divulgar meu post do Borrocando. Nessa comunidade quem manda são os indianos.

Nossa enquete segue razoavelmente, quando chegar a 20 votos já estará de bom tamanho. Coitado do Maluf, está levando uma surra...

Mas isso tudo não seria uma tarefa para o Tweeter? Preciso aprender a trabalhar com as ferramentas disponíveis.

Hoje li uma notícia pavoneada: "Brasil conclui colheita de 143 mi (milhões, seria o caso. Mi cheira a miguxês na imprensa séria) de toneladas e bate recorde histórico". 
Qual seria a diferença de recorde para recorde histórico? C'ést la même chose. Porém escrevendo-se recorde histórico parece que o pavão fica mais bonito. É a  nova mania de escrever coisas antigas.

Mudança de plataforma do Sitemeter


Há bem pouco tempo os usuários do Sitemeter, eu inclusive, de repente ficaram impossibilitados de acessar o Blogger. Pensei até tratar-se de vírus e estava para fazer uma completa verificação. Foi quando apareceram as primeiras explicações - o culpado era o Sitemeter.

No próximo fim de semana, 13-14 de setembro, esse aplicativo ficará fora do ar. Desta vez ninguém será surpreendido. Dizem que após essa migração as contagens estarão mais próximas da realidade - as visitas, sensivelmente maiores, as páginas, um pouco menores; durante a troca de plataforma não haverá interrupção das estatísticas.

Haverá a necessidade de Ativar a conta na nova plataforma e as senhas serão Case Sensitive. Todo o histórico do usuário migrará para a nova plataforma. 

Vamos aguardar!

Você acredita em gênio da lâmpada? (2)


A infância deve ser rica e magicamente vivida. Passaram-me pelas mãos livros os mais variados, como os de Pedro Malasartes, um moleque muito arteiro, os livros de Monteiro Lobato, com Pedrinho, Emília, Narizinho - a turma do Sítio do Picapau Amarelo, aventura tão bem fixada em séries da TV Globo. E entre tantos outros lembrei-me dos contos das mil e uma noites. Um esperto sabia de uma caverna onde haviam mil tesouros. Mas como a entrada era muito estreita para o seu físico avantajado, e quem tocasse nas paredes da caverna estaria ferido de morte, ele persuadiu Aladim, que era bem magrinho, a fazer esse serviço. Só que após Aladim lhe passar as maravilhosas pedras preciosas ele bloqueou a entrada com uma grande pedra e deixou o moço preso. Foi então que Aladim pôde achar a lâmpada e, consequentemente o gênio, e pôde sair daquele lugar.

Eu acho que o mesmo sacripanta que aprisionou o menino soube da história da lâmpada e saiu pelas ruas travestido de comprador de quinquilharias, roupas usadas, objetos sem utilidade, garrafas vazias e até comprou uma lâmpada muito velha e sem serventia, a do Aladim. Não sei como a história continua mas consta até que ele andou comprando uns blogs abandonados por enfado ou desencanto.

Eu não pretendo comprar blogs abandonados. Não sei fazer dinheiro nem com o meu, que dirá com blogs sem futuro. Mas sei que se trata de transação honesta e de alta expertise. Mas não boto a mão no fogo pela lisura dos outros negócios que mencionei no post anterior. Isso tudo foi tratado no post anterior, não se percam.

Eu queria colocar mais detalhes sobre o poder da lâmpada do Aladim - não consegui. Eu relatei os episódios de que me lembrava. Mas encontrei duas historinhas deliciosas, uma cômica, outra picante. A primeira segue abaixo. A segunda eu os envio a O Gênio da Lâmpada.

Um judeu caminhava pelo deserto, quando encontrou uma garrafa de Coca-Cola. Ao abrir a tampa - surpresa! - apareceu um gênio:

- Olá! Sou o gênio de um só desejo, às suas ordens.

- Então, eu quero a paz no Oriente Médio. Veja esse mapa: que esses países vivam em paz!

O gênio olhou bem para o mapa e disse:

- Caia na real, amigo. Esses países guerreiam há 5 mil anos! E para falar a verdade, sou bom, mas não o suficiente para isso. Peça outra coisa.

- Bom… Eu nunca encontrei a mulher ideal. Você sabe… gostaria de uma mulher que tenha senso de humor, goste de sexo, de cozinhar, limpar a casa, lavar, passar, que não seja ciumenta, que goste de futebol, aprecie uma cervejinha, seja fiel, gostosa, bonita, jovem, carinhosa e não se importe de eu não ter dinheiro.

O génio suspirou fundo e disse:

- Deixa eu ver a merda desse mapa de novo!!!

Você acredita em gênio da lâmpada?


Ou, o meu heterodoxo processo de criação

Listando os meus amigos no diHITT cheguei numa pessoa que tinha votado num intrigante post - Ganha dinheiro vendendo o teu blog abandonado. Muitos blogs foram removidos mas o endereço não pode ser utilizado, outros estão lá livres, leves e soltos ao alcance do primeiro aventureiro; ainda outros existem mas não recebem um simples olhar do seu dono. De vez em quando afago meus blogs desativados e até republico um post campeão.

Mas o que me manteve ligado nessa questão foi saber quanto vale um blog moribundo. Mais que isso eu queria saber qual o pulo do gato, como se pode lucrar em tal transação. Seria o caso de se recorrer ao gênio da lâmpada?

Há um supermercado na minha cidade que pratica preços inacreditáveis, não tem pra seu ninguém. Há algum tempo comprei lá um pedaço de parmesão a 17 reais o quilo mais um vinho Miolo Gamay a 14,50 e um Periquita, o vinho português, por 19,95. Esses ítens atualmente já estão noutro patamar de preço.

O queijo foi muito bem com o vinho e eu resolvi contactar o representante do parmesão. Quando ele chegou me passou o preço de 20,50. Eu perguntei se ele não estava maluco já que ele era o fornecedor do tal supermercado e lá eu havia comprado por 17 reais. Ninguém ensina o pulo do gato, ninguém deixa você dar uma esfregadinha na lâmpada mágica.

Para encerrar essa parte quero falar de uma magnífica construção aqui perto de casa, uma área de aproximadamente 500 m2. Pensei tratar-se de mais um próspero templo do reino de Deus devido à amplidão da entrada (não obstante o acesso do céu ser muito estreito) e com um pé direito de mais de 6 metros. A casa foi inaugurada - é um restaurante aberto para almoço e para a noite. Entrei lá para conhecer, do jeito que estava, de bermuda e sandália havaiana. Um garçon me mostrou a sala de jogos de mesa, damas, xadrez, cartas; mostrou-me a sala de whisky, a adega com vinhos importados, a sala com brinquedos para as crianças com uma assistente para monitorá-los e logicamente os dois salões para refeições, difusamente iluminados, o ambiente adequado para impressionar aquela sua namorada quase inacessível.

Essa casa estaria bem no centro do Rio de Janeiro, em Nilópolis não há público para tamanho luxo. Além do mais, já existe no quarteirão uma grande churrascaria, uma grande pizzaria e bares diversos. Foi uma grande aposta. Eu não quero nem saber qual o pulo do gato nem quero esfregar a lâmpada do Aladim.

E essa lâmpada maravilhosa em que tanto insisto? Esse é o meu complicado modo de criar. Vou transitando pelos assuntos e perco a medida. E fico com medo de cansar o leitor. Então essa luminosa idéia fica para amanhã, certo? Aguardem.

Querida, a culpa é do alelo 334


Ou, tem culpa eu?

Mais uma infame pesquisa vem colocar os pingos nos is trazendo uma tábua de salvação (???) para muita gente fina. Imaginem que descobriram que esse negócio de infidelidade é apenas uma questão de genética. Bem que eu desconfiava que meu pai andava pulando a cerca.

Eis um trecho do que li no Yahoo Notícias. Você pode ir lá para pegar o habeas corpus preventivo. Mas cuidado com o batom na cueca. Aí nem a morte te salva.

Um estudo do Instituto Karolinska de Estocolmo afirma que um dos culpados pela infidelidade dos homens é um gene, o alelo 334, que administra a vasopressina, hormônio que se reproduz naturalmente através, por exemplo, dos orgasmos.

Desta forma, os homens que possuem esta variante do gene dificilmente conseguiriam manter uma relação estável, diz o estudo dos cientistas suecos divulgado ontem.

Para os infiéis que sempre buscam uma desculpa, o estudo pode levar a uma razão científica para este comportamento: "Amor, a culpa é do alelo".

Tem aloprado que torce por um time em cada Estado


Eu não compreendo isso. O cara é Corínthians em São Paulo, Cruzeiro em Minas, Vitória na Bahia, Sport em Pernambuco, Botafogo no Rio, etc. Uma loucura. Isso é não ter ideologia, vamos dizer assim. 
Eu não torço por time nenhum de São Paulo, muito menos de Minas ou do Rio Grande do Sul, Oiapoque ou Chuí.

Querem saber qual o meu time? Acompanhem minha lógica. Em jogo entre Flamengo e Fluminense, torço pelo Fluminense. Jogando Flamengo e Botafogo, sou Botafogo desde criancinha. E se jogam Botafogo e Fluminense? Torço pelo menos marrento. Minha cabeça funciona assim para o futebol. Para a política eu faço algumas concessões.

Vejam vocês que absurdo. O juiz auxiliar da propaganda da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, Claudio Luiz Bueno de Godoy, concedeu liminar nesta terça-feira (2) proibindo o candidato Paulo Maluf (PP) de veicular em sua propaganda eleitoral a parte em que aparece a voz da candidata Marta Suplicy (PT) e a frase polêmica de quando era ministra do Turismo: "Relaxa e goza". 

O magistrado alegou que a frase da simpática senhora foi apresentada fora do contexto. Ora, não há contexto que aceite tamanho absurdo dito pela então ministra. Longe de mim jamais em tempo algum votar no Maluf, mas nessa questão dou-lhe razão, o roto tem todo o direito de falar mal do esfarrapado.

No Rio de Janeiro eu votaria em Paulo Ramos. Ele não é o queridinho do Lula, nem o protegido do governador nem o candidato do prefeito. Querem fazer debates com os cinco melhores colocados nessas "pesquisas" tendenciosas. Paulo Ramos não concorda e ele está com a lei. Então não haverá debate. Dizem que está tudo armado para que se eleja Eduardo Paes prefeito do Rio. Do mesmo modo que elegeram o governador Sérgio Cabral.

Em Nilópolis votarei num rapaz que já foi meu aluno de Desenho Geométrico no segundo grau. Mas não é por isso que voto nele. Há um candidato, deputado estadual, que escapou de ser cassado graças ao corporativismo de seus colegas, acusado de livrar a cara de um envolvido em uma CPI em troca de favores pecuniários. O terceiro candidato faz parte de uma dinastia e eu tenho horror a hereditariedade na política.

E vocês já descobriram por qual time eu torço? É a antepenúltima tag ali na minha nuvem.

Novo browser do Google


Eu gosto de viver perigosamente. Já estou navegando no Chrome, inclusive escrevendo estas mal traçadas linhas. Por enquanto a nave está respondendo bem aos comandos, o layout do Blogger está normal, só deu uma pequena diferença na wide-bar. Mas não truncou; apareceu um cursor na horizontal e outro na vertical.

O programa tem comandos em português, à exceção de dois pequenos detalhes que são a customização dos FAVORITOS e os SITES SUGERIDOS, ambos recursos do Internet Explorer 8. Isso está explícito com todas as letras.

Horário Eleitoral Gratuito

Mas podem me chamar de Bizarrice Eleitoral Explícita

Eu tinha um colega de escola que trabalhava na sapataria do pai. A loja se chamava "O Ganha-Pouco de Nilópolis", nome bem sugestivo denotando que o freguês ali pagaria o mínimo necessário para recompensar o trabalho do dono da casa.
Às vezes eu passava na porta da loja e trocava um dedinho de prosa com o colega. Quando aparecia um freguês ele aprontava seu sorriso de vendedor e mandava o surrado chavão: "Vai um sapatinho, freguês"?
A menos que se tratasse da Gata Borralheira o freguês não iria querer uma abóbora para ser transformada em carruagem. Talvez até os celebrados sapatinhos de cristal ele tivesse no estoque. Mas foi assim que ele aprendeu a trabalhar.

Atualmente acho que os vendedores são orientados a não assediar o comprador. Se há duas classes de comerciantes mais nauseabundos, esses são certamente os vendedores de seguros e os lojistas de sapatarias.

Essa introdução serviu para demonstrar que a propaganda enganosa sempre existiu, atualmente foi elevada ao estado da arte. Está aí o horário eleitoral que não me deixa mentir. Hoje apareceu o candidato José Baixa-Renda. Pode? Terá ele trabalhado no Ganha-Pouco de Nilópolis?

Mas a bizarrice não fica nisso. Há dois candidatos, um homem e uma mulher, que adotaram o sobrenome Enéias e gritam tal e qual o falecido. Enéias, depois do Jânio Quadros, foi a maior bizarrice que já apareceu no cenário político nacional. Dava parte de político íntegro mas não tugiu nem mugiu quando compraram os deputados de seu partido que ele havia eleito com as sobras da sua fantástica votação.

Os candidatos atualmente, pelo menos os da minha cidade, têm um truque para apresentar sua eficiência. Se anunciam como funcionários de determinadas instituições. Assim, existe a Fulana da Sucam, o Cicrano do INPS (assim, com a antiga denominação), não sei quem do hospital e não falta quem não lhes reconheça a grande quantidade de trabalhos prestados à comunidade. Ora, eles ganham pra isso assim como o frentista ganha para encher os tanques dos carros. É bem verdade que eles conhecem o caminho das pedras e facilitam uma internação ou agilizam uma consulta.

Hoje me chegou às mãos um santinho do Luciano do Abrigo. Ele trabalha em uma casa de recuperação em Nilópolis que ressocializa alcoólatras, mendigos e drogados. É o Abrigo Luz nas Trevas. Pela sua foto deduzo que ele emergiu dessa escuridão; conta com o apoio do eleitor e diz que Deus é fiel. Deus não se mete em política nem em futebol apesar de vermos, antes das partidas, certos jogadores abrirem os braços e, com as mãos espalmadas e os olhos cerrados, orarem por uma vitória. Sabe-se que se reza funcionasse o campeonato baiano terminaria empatado.

Encerro com o candidato Chumbinho. Não sei se ele se considera um candidato de peso ou se pretende apenas exterminar a população de camundongos do município. As urnas dirão. E não se esqueçam, votem com moderação.