Lugar_RSI

AvatarLugar do Real, do Simbólico e do Imaginário
Aqui não se fala dos conceitos de Lacan e a palavra lugar deve ser pensada em sua definição matemática

Você fala espanhol ou seu português é ruim assim mesmo?

Já ouvi dizer que o espanhol é o português falado errado ou, ainda, que o espanhol é o português meio diferente.
Isso tem alguma lógica. Minha falecida avó não sabia ler nem escrever mas falava algumas palavras que compreendíamos porque no contexto: - "Entonce não tem mais precisão", ela dizia. Nordestino gosta da palavra precisão quando quer significar necessidade. Mas olha aí - entonce, então, "entonces", o espanhol castiço de mi abuelita.
Outras vezes ela dizia: - "Conheço fulano desna muito tempo". E aí exagerava. Em espanhol é desde mesmo.
Mas vejam que coisa impressionante. Achei um blog chamado O Parente da Refóias, que tem como descrição - A Região de Monchique: a actualidade e a sua linguagem tradicional, usos e costumes. O título do post era A pé, désna de Portimão a Monchique.

Um trecho desse post:
"Tal e qual c'm' l'es disse, enq'onto andí na fêra de Vila Nova, dé-me na cabeça d'ir a pé p'ra Monchique, p'a m'alembrar do tempo qu'a famila, quái toda, fazia isso p'ra baxo e p'ra cimba, q'ondo tinha míngua d'ir lá im baxo ô Algarve".

Como podem ver, minha avó tinha em sua "cultura" uma semente da flor do Lácio, bastante inculta, porém não menos bela.

Leio o blog de um cidadão de Múrcia, Espanha. Ele é muito bravo com o Zapatero. Vez por outra aparece uma palavra mais cabeluda, porém, no geral, consegue-se entender a idéia geral. Noutro dia mandei um email para ele pedindo que me ensinasse um código do blog. Apesar de alegar dificuldades em entender o que eu pedia em português, foi muito solícito e conseguiu tirar minha dúvida. Me disseram que é assim mesmo. Nos lemos razoavelmente o espanhol mas eles têm grande dificuldade de entender o português.

E eu até deixo alguns comentários no blog desse espanhol. Em espanhol, é claro, já que em português eles não me entenderiam. E não é difícil. Aprendi com minha avó como se faz.

4 comments:

22 de outubro de 2007 17:06 vandehugo disse...

Tal pensamento me deixa indignado. Pensam assim os nossos "hermanos y vecinos" por inveja ou por provocação pura. Digo vizinhos porque os outros "hispanohablantes" que vivem longe de um país lusófono, não pensam assim, já constatei com os de Costa Rica que nunca ouviram falar em tal idéia.
E além disso existe o fato de que tanto o português, quanto o catalão e o gallego tem muitas similitudes, sendo assim a língua que está entre elas é que creio eu, perdeu algo. Mas isso será tema para outro dia e mais estudos.
Até que gosto do castelhano, mas a versão "standard" da Espanha, essa falada pelo Zapatero, por exemplo, se ele não exagerasse tanto na "zeta"...

22 de outubro de 2007 17:32 Luiz Lailo disse...

Isso não seria gozação de brasileiro? Eu pensei até que algum hispanohablante pudesse ficar melindrado.
Você vê, minha avó estava inserida aí nesse contexto catalão-gallego.

Diz a Wikipedia que o "gallego está estrechamente emparentado con el portugués, con el que formó unidad lingüística (gallego-portugués) durante la Edad Media".

É coisa para mais estudos mesmo.

23 de outubro de 2007 03:45 Cauã disse...

Passei por situações engraçadas ao falar por telefone com uma secretária na argentina, da central dos trabalhadores... foi um tanto quanto impossível estabelecer um diálogo, me comunico melhor com a Xing (do nosso blog) em inglês do que em espanhol com aquela argentina... ¬¬

25 de outubro de 2007 07:01 MaD disse...

Caro Luis Lailo
Sou o autor do blog O Parente da Refóias e fiquei muito sensibilizado pela sua referência.
Obrigado.
Quanto ao "espanhol" da sua avó, não estou totalmente de acordo consigo. O desna, precisão ou míngua, etc, em meu entender, não foram adaptados do espanhol, mas sim uma herança do português falado em algumas regiões rurais portugueses.
Na Serra de Monchique (sul de Portugal), minha terra-mãe, grande parte da população da minha geração ainda fala assim e nunca teve qualquer contacto com o castelhano.
Já os galegos não só têm um linguajar muito próximo do português como têm, inclusivamente, vindo a demonstrado o desejo de passar a fazer parte da comunidade lusófona.
Na verdade, toda a sua cultura se aproxima mais da portuguesa do que da espanhola.
Vários estudiosos portugueses e galegos consideram existir mesmo uma cultura galaico-duriense que, como o nome indica, abrange a Galiza e o norte de Portugal até ao Rio Douro.
Mais uma vez, obrigado e felicidades para si e para o seu blog.
MaD

Postar um comentário

Qualquer mensagem não relacionada à postagem deverá ser colocada no Quadro de Recados e, de preferência, não contendo SPAM.
Anônimo, faça a gentileza de deixar seu nome ao final do comentário